Maria Beatriz Furtado
Eventos
Artigos
Eventos
UFC 225 - como foi

UFC 225 - como foi

33325022_611034222592003_897255125964292

Repleta de atrações e boas lutas, a noite basicamente foi feita de um card inteiro principal (sem contar a luta do CM Punk com o Mike Jackson que, convenhamos, seria claramente luta de preliminar, se não fosse todo o showbusiness envolvido).


Começamos já com um inesperado atropelo de Dan Ige sobre Mike Santiago, logo no primeiro round.


Logo após, tivemos o primeiro brasileiro da noite, Charles do Bronx, que aceitou a luta com apenas 12 dias de antecedência e ainda assim conseguiu finalizar Clay Guida no primeiro round. Aproveitou e deixou seu recadinho para a chefia, pedindo para lutar no evento de São Paulo, que será em setembro. Com qualquer que seja o oponente. Não tem como negar, né?


Benavidez voltou ao octógono como favorito, mas não deu pra ele e Sergio Pettis levou a melhor na decisão, aplaudido por seu irmão, Anthony.


Outro Anthony, o Smith, conseguiu um belíssimo nocaute sobre o veterano Rashad Evans. E foi mais uma luta terminando no primeiro round. 


A luta entre Rashad Coulter e Chris de La Rocha teve um round inicial surpreendentemente movimentado para ser de pesados. La Rocha aguentou duros golpes mas conseguiu o domínio no chão, onde depois de um tempo já nem tinha forças pra continuar batendo mas no segundo round o árbitro teve que interromper, com Coulter levando a pior.


Outra luta com boa movimentação de ambos, onde muitos achavam que iria terminar antes do apito final, mas acabou indo para a decisão, foi a que Mirsad Bektic levou a melhor sobre o guerreiro Ricardo Lamas. 


Claudinha Gadelha venceu, mas acredito que não da maneira como todos esperavam. Foi uma decisão dividida, não muito contundente, nem dominou tanto a luta contra sua oponente Carla Esparza.


Encerrando o card preliminar, uma luta que certamente seria digna do principal, Curtis Blaydes mostrou que não é apenas um novato com sorte e nocauteou o experiente Alistair Overeem. A façanha foi conquistada no terceiro round, depois de derrubar e ficar no ground and pound, até machucar bem o rosto do adversário com suas cotoveladas, sendo a luta interrompida por nocaute técnico. Com essa vitória, ele vai conquistando seu espaço na categoria e já disparou após a luta que só quer disputar com caras ranqueados acima dele.

 
Abrindo o card principal, aquela luta marketing, entre os amadores da noite CM Punk e Mike Jackson. Infelizmente tivemos que aguentar três longos rounds da luta que já arrisco dizer que ganharia como a pior do ano no UFC. Se pudesse dar derrota para os dois, acredito que todos concordariam que seria o caso, mas como alguém tem que vencer, o menos mal foi Jackson, que só não conseguiu acabar com a luta antes por falta de... tudo.


O australiano Tai Tuivasa passou pela primeira do primeiro round em uma luta, conquistando a vitória por decisão unânime, mas Andrei Arlovski até fez uma boa trocação, obtendo vantagem em um round, não o suficiente. 


Holy Holm fez seu jogo habitual, controlando e amarrando sua adversária estreante na organização, Megan Anderson, que seria para enfrentar Cris Cyborg inicialmente e agora vamos ver no que vai dar.


Enfim, a tão esperada luta entre Rafael dos Anjos e Colby Covington não foi nada boa para nós. Acho que todo fã de mma e que acompanha estava aflito para essa luta. Estavam falando que era como uma Sonnen vs Silva da vida, afinal o adversário falando mal de nosso país e toda aquela história envolvida. Infelizmente o falastrão dominou a luta, com aquele jogo de wrestling e levou a melhor nas papeletas. Nem dá pra reclamar, porque a vitória realmente foi dele, com domínio maior na luta, e agora a gente tem que aguentar. Triste.


E na principal da noite, Robert Whittaker ganhou mais uma vez, marcando seu 2x0 conta Yoel Romero. A decisão foi dividida, e Romero ainda declarou que em sua opinião, ele que venceu. Foi o que um doa árbitros também achou. O que aconteceu foi que ele quis poupar seu gás nos primeiros rounds e só no terceiro é que resolveu ir pra cima. Ficou muito perto de nocautear Whittaker, mas o campeão segurou bem. Pra mim, Romero dominou dois rounds apenas. No máximo, o que caberia ali era um empate de 47x47. E vocês, o que acharam?
Ufa...esse foi longo gente! Um beijo pra quem leu até aqui... rs
Até a próxima! :)

Maria Beatriz Furtado
Paulista, bancária se aventurando no mundo da escrita, sobre um assunto que tanto gosta,MMA, com a maior espontaneidade possível.